Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Deputado diz que ação da PF é censura de ministro do STF

Equipe BR Político

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) saiu em defesa nesta quinta, 19, de seu chefe de gabinete Edson Salomão que teve computador e celular apreendidos hoje em sua casa pela Polícia Federal por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF. O parlamentar, aquele que atacou um colega de Alesp por ser trans e depois assumiu ser gay, afirmou em vídeo que o motivo da ação policial é o fato de Edson “fazer memes” na internet. Ele também associa a “visita” da PF ao assessor às recentes declarações da deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) na CPMI das Fake News.

Salomão afirmou ao BRP que os motivos das buscas e apreensões não lhe foram apresentados pelos policiais. Segundo ele, Joice está por trás da ação policial, sem explicar como ela poderia ter influenciado o ministro, por ele ser um concorrente dela na disputa à Prefeitura de São Paulo. “Ela sabe que se o presidente Jair Bolsonaro decidir por meu nome (na eleição municipal de 2020), o potencial (de vitória) é muito grande”, disse o assessor de Garcia. Presidente do Movimento Conservador, que tem 2 mil filiados em 70 cidades de São Paulo e em mais quatro capitais, Salomão atua como corretor de seguros há 15 anos.

O ministro do STF prorrogou por mais 180 dias o inquérito sigiloso aberto para apurar ameaças, ofensas e fake news disparadas contra os integrantes do tribunal e seus familiares. Alvo de críticas de diversos lados, o chamado “inquérito das fake news” vai agora até junho de 2020.