Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Deputado quer CPI para apurar uso do GSI em defesa de Flávio

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) afirmou pelas redes sociais que pretende colher assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o uso pelo presidente Jair Bolsonaro de seu cargo para beneficiar o filho, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em investigações de que é alvo. 

O líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon

O líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

“É gravíssima a informação de que o presidente usou o cargo e as instituições para tentar livrar o filho de investigação criminal. Estamos coletando assinaturas para instalar CPI e representamos à PGR e ao MP para que investigações sejam feitas”, escreveu nas redes sociais.

Nesta sexta-feira, 23, foi revelado pela revista Época que Bolsonaro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, participaram de reunião com advogados de Flávio em agosto para debater supostas “irregularidades das informações constantes de Relatórios de Investigação Fiscal” produzidos por órgãos federais sobre o senador. Flávio é investigado pela suposta participação em um esquema envolvendo peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). 

O ex-assessor do senador Fabrício Queiroz, apontado como operador do esquema envolvendo Flávio, constava em um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que identificou “movimentações financeiras atípicas” de 75 assessores ou ex-assessores de deputados estaduais do Rio em 2018. 

O caso do filho é um dos pontos centrais das suspeitas de tentativas de Bolsonaro de interferência na Polícia Federal. O caso causou o rompimento entre o presidente e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro quando Moro acusou Bolsonaro de tentativa de interferência na instituição para proteger a família.