Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Deputados aprovam crédito para emendas extras; oposição fala em ‘compra de votos’

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

Em sessão do Congresso Nacional, deputados aprovaram um PLN para liberar crédito extra para pagar compromissos brasileiros com organismos internacionais. Só que os parlamentares fizeram uma alteração. Originalmente, o projeto destinava R$ 48 milhões, que foi ampliado para R$ 3,3 bilhões, abrindo espaço para pagamento de emendas parlamentares com destino aos ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Regional e Turismo.

Partidos de oposição viram neste movimento um favorecimento à candidatura de Arthur Lira (PP-AL), que disputa a presidência da Câmara. “O governo Bolsonaro manobrou e liberou R$ 772 milhões em DINHEIRO PÚBLICO de emendas para COMPRAR votos de deputados na disputa à presidência da Câmara”, disse a deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

“O mais grave R$ 1,9 bilhão em emendas extraorçamentárias pelo que se comenta. E pelo que se percebe nesse projeto para emendas, repito, extraorçamentárias irrigarem a campanha de um dos candidatos a presidente desta Casa! Isso é um absurdo”, disse Marcel Van Hattem (Novo-RS).

A abertura da sessão do Congresso para votar os créditos extras tiveram ainda um debate entre Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Lira. O atual presidente da Câmara iniciou pela manhã a sessão que deve votar a regulamentação do Fundeb, no mesmo horário do plenário do Congresso. “Não fui comunicado ontem da sessão do Congresso por ninguém. O presidente do Congresso não me ligou, ninguém do governo me ligou, nenhum líder me ligou”, quando questionado. “Como não foi comunicado? A pauta foi publicada”, rebateu Lira.