Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Desigualdade de renda se manteve alta no Brasil em 2019

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Em 2019, o rendimento mensal médio do 1% da população com ganhos mais altos, de R$ 28.659, foi 33,7 vezes maior que a média do que receberam os 50% com menos renda, que ganharam em média R$ 850 mensais no ano passado. De acordo com os dados da da Pnad Contínua, publicada pelo IBGE nesta quarta-feira, 6, as desigualdades de renda entre as camadas da população brasileira continuaram altas.

Rendimento mensal médio do 1% da população com ganhos mais altos foi 33,7 vezes maior do que a média do que receberam os 50% com menos renda em 2019

Rendimento mensal do 1% da população com ganhos mais altos foi 33,7 vezes o dos 50% com menos renda em 2019 Foto: Tiago Queiroz/Estadão

As discrepâncias de renda entre gêneros e etnias prevaleceu no País. Entre homens, o rendimento médio em 2019 foi de R$ 2.555, 28,7% mais alto que o das mulheres, que ficou em R$ 1.985. Entre pessoas brancas, pardas e pretas a diferença foi ainda maior. Enquanto a média dos ganhos mensais de brancos foi de R$ 2.999, a de pardos foi de R$ 1.719 e pretos, R$ 1.673. 

Entre as regiões do País também há diferenças consideráveis de renda média. O Sudeste registrou a maior, de R$ 2.645, seguido pelo Sul, cuja população teve ganhos médios de R$ 2.499, Centro-Oeste, com média de R$ 2.498, Norte, de R$ 1.601 e Nordeste, de R$ 1.510.

Tudo o que sabemos sobre:

rendadesigualdadeIBGEPnad Contínua