Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘Deu ruim’, escreveu ex-assessora de Flávio sobre Caso Queiroz

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O Fantástico, da TV Globo, de domingo, 9, trouxe a público mensagens de texto que teriam sido enviadas pela ex-assessora de Flávio Bolsonaro (Republicanos) na Alerj Luiza Sousa Paes, que prestou depoimento e baseou a denúncia do Ministério Público contra o senador por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O senador Flávio Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro Foto: Beto Barata/Agência Senado

De acordo com a reportagem, a denúncia do MP afirma que Luiza trocou mensagens com o pai assim que as primeiras investigações ligando Fabrício Queiroz e o suposto esquema de “rachadinhas” começaram a ser publicadas nos jornais sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em dezembro de 2018.

“Caraca! Tu viu alguma parte do Jornal Hoje? Bateu direto naquele negócio do Queiroz. Direto isso, a foto dele estampada no Jornal Hoje. Agora deu ruim”, teria escrito Luiza ao pai.

Ainda segundo o documento divulgado pelo Fantástico, Luiza questiona seu pai o que fazer com os recibos de depósitos feitos a Queiroz, assim que soube que ela também era alvo das investigações. A edição mostrou ainda conversas entre ela e o advogado de Queiroz e de Flávio à época, Luis Gustavo Botto Maia.

Luiza e mais de 90 pessoas ligadas ao senador tiveram seus sigilos bancários quebrados pela Justiça em 2019. Em maio do ano passado, ela enviou a seguinte mensagem ao pai. “Já viu as notícias? Quebraram o sigilo de um monte de gente. Provavelmente o meu também”, escreveu a ex-assessora, de acordo com o MP. O pai respondeu: “Já vi e estragou o meu dia isso”.

Segundo a reportagem, no depoimento, Luiza disse que nunca trabalhou efetivamente como funcionária de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual, mas era registrada na Alerj, recebia salário e repassava mais de 90% do valor para Queiroz. Além do depoimento, Luiza teria apresentado extratos bancários para comprovar o esquema. Os documentos teriam mostrado depósitos e transferências que somariam um desvio total de R$ 155 mil.

O registro de Luiza no gabinete de Flávio vai de agosto de 2011 até abril de 2012, mais tarde trabalhou em outros setores da Alerj. Segundo O Globo, a aproximação o senador aconteceu por causa da amizade do pai dela com Queiroz.