Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Dino a Haddad: ‘Vamos vencer a eleição de 2022’

Equipe BR Político

Pelo menos dois nomes da esquerda estão juntos. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad entrevistou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), em seu programa semanal Painel Haddad, veiculado semanalmente em redes sociais desde julho deste ano. O ex-magistrado afirmou ter certeza de que “nós vamos vencer a eleição de 2022”, em referência à oposição, mas sem especificar sua composição. “Vamos ganhar muitas prefeituras. Vamos ter ótimos resultados eleitorais”, acrescentou Dino.

A transmissão da conversa na segunda, 9, ocorre uma semana depois de integrantes de 16 partidos que vão da centro-direita à centro-esquerda do espectro político se reunirem na segunda edição do chamado grupo “Direitos Já! Fórum Pela Democracia”, no Tuca, em São Paulo. Nesse encontro do dia 2, Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Antonio Anastasia (PSDB) e Aldo Rebelo (Solidariedade) não participaram, mas enviaram mensagens em vídeo, ao contrário do ausente Haddad, que participou da primeira agenda do grupo, na casa do advogado Pedro Serrano. Já Dino, Ciro Gomes (PDT), Márcio França (PSB) e Marta Suplicy (sem partido) estiveram lá. Na segunda, 9, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, rebateu as habituais críticas de que seu partido não abre mão de sua hegemonia no campo progressista.

Voz crítica dessa tentativa de união de forças de esquerda, o professor e cientista social Ruda Ricci avalia que o PT não tem nada a ganhar com essa aliança. “Uma frente como esta seria uma espécie de reedição da coalizão mais que ampla que sustentava a conciliação de interesses lulista. Sendo que no caso lulista, havia uma troca. Neste caso, o que o PT teria em troca? Nada”, escreveu ele em artigo para a Revista Forum. O docente da Escola Superior Dom Helder Câmara, e autor do livro Lulismo (Fundação Astrogildo Pereira/Contraponto), combate o argumento de que o PT estaria boicotando o movimento: “Desde quando uma força hegemônica entrega de bandeja sua hegemonia às forças menores?”.