Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Dino vê risco de ‘isolamento internacional do Brasil’

Equipe BR Político

“Estamos vivendo uma dramática e abissal instabilidade política, derivada, por exemplo, até do risco, inédito, de um isolamento internacional do Brasil”, avalia o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). O comentário foi feito nesta quinta-feira, 5, durante participação na conferência Agenda do Brasil para Crescimento Econômico e Desenvolvimento, promovida pelo Council of the Americas (COA) em Brasília. O temor de que o País enfrente um “isolamento internacional” ocorre um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro atacar a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

O governador do Maranhão, Flávio Dino

O governador do Maranhão, Flávio Dino. Foto: Gilson Teixeira/ Divulgação

Mais cedo, no mesmo evento, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, havia se referido ao aumento dos incêndios na Amazônia neste ano como uma “falsa crise”. Seguindo o comportamento do chefe, Araújo também criticou Bachelet, de acordo com o Broadcast Político. Segundo ele, a declaração da ex-presidente do Chile sobre a perda de espaço da democracia no Brasil é “totalmente absurda e baseada em ideologia”.

Já sem a presença de Araújo, o governador afirmou que, nos últimos cinco anos, o País enfrentou um quadro de dificuldades institucionais. Além disso, avaliou que o principal problema macroeconômico é a estratégia praticada nos últimos três anos, “ancorada numa categoria mitológica, mítica, chamada ‘retomada da confiança'”. Na avaliação do maranhense, “é muito difícil ancorar expectativas futuras sem que você incremente a demanda. Precisamos de retomada de demanda efetivamente”, defendeu.