Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: A ‘centro-esquerda’ de Guedes é bem elástica

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Na sua entrevista à Folha, o ministro da Economia, Paulo Guedes, embrulha num mesmo pacote, batizado por ele como “centro-esquerda”, todos os governos dos últimos 30 anos. Liberal-democrata, na sua visão, apenas a atual administração. Na entrevista, ele diz que “foram 30 anos de centro-esquerda. Dá para esperar quatro aninhos de um liberal-democrata? Se não melhorar, troca, sem intolerância. Mas deu três meses e já começaram: cadê o crescimento? Vamos ser razoáveis. Não é justo”.

Dá até para entender o pedido de paciência com os resultados, embora, no início da sua trajetória ao lado de Jair Bolsonaro, Guedes tenha dito que em um ano entregaria resultados expressivos. Até aí, é jogo jogado. Mas o recorte de 30 anos de centro-esquerda é apenas retórica para a galera.

Se fosse para valer, estariam no mesmo saco de centro-esquerda os governos de Fernando Collor (1990 a 1992), aquele que chamava os automóveis brasileiros de carroças e quis abrir o mercado nacional – também confiscou a poupança, mas essa é outra história; o de Itamar Franco (1992 a 1994), que, com Fernando Henrique à frente da Fazenda, criou o Plano Real; e do próprio FHC (1995 a 2002), que, além de consolidar o real, quebrou monopólios e adotou medidas liberais durante seus oito anos de governo. Para completar, ainda houve o período de 2016 a 2018, com Michel Temer na Presidência e Henrique Meirelles na Fazenda, no qual foram aprovadas propostas como, por exemplo, a reforma trabalhista – a Previdência só não passou porque foi implodida pelo Joesleygate.