Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: A panela bateu, a ficha caiu, mas governo segue confuso

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Duas sessões de forte bateção de panelas e muita bronca nas redes sociais fizeram com que Jair Bolsonaro e seus principais auxiliares finalmente entendessem a gravidade do problema. Mas, mesmo depois de começarem a tomar algumas providências importantes, há duas constatações preocupantes. A primeira é que Bolsonaro só mudou de comportamento, parando de minimizar e menosprezar a pandemia, depois de tomar dois panelaços populares pela proa, com as pessoas protestando contra o governo. Esses protestos foram tão intensos que o estrago político causado foi tão grande que talvez sequer possa ser revertido.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Adriano Machado/Reuters

A segunda constatação é que, apesar das medidas anunciadas, tudo ainda é confuso demais do governo. Há uma clara dúvida até onde o governo está disposto a avançar para conter o coronavírus. O medo que a economia vá para o vinagre tem causado hesitação entre as autoridades, que temem uma quebradeira irreversível. O problema é que se houver relutância nas medidas duras, o estrago da doença, certamente, aumentará.

Assim, o governo tem verdadeiros momentos de barata tonta. Anuncia fechamento das fronteiras com os países vizinhos, mas o faz depois que quase todos os outros já as tinham fechado para os brasileiros. E ainda deixa o Uruguai para depois, demorando para apresentar seus motivos. Depois, enquanto tenta vender um discurso de união e harmonia – que, verdade seja dita, ninguém comprou – o presidente vê um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, quase criar um incidente diplomático com a China só para tentar alimentar uma inútil narrativa polêmica para as redes sociais. E o presidente, para variar, faz tromba e reclama dos governadores que ampliam as restrições em seus Estados para tentar conter a doença.

Ou seja, confusão e trombadas a toda hora. Se o governo não acordar para isso e focar de vez no combate ao coronavírus, vai precisar se acostumar ao ruído das panelas. Porque elas deverão bater cada vez mais forte.