Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: Atividade econômica reage. Imagina se não tivesse polêmica

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Dados divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central mostram que a atividade econômica voltou a crescer no País, depois de dois trimestres consecutivos de retração. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) indica um crescimento de 0,91% no terceiro trimestre do ano em relação ao segundo semestre. Mais significativo ainda é o fato de ser o primeiro trimestre do governo de Jair Bolsonaro em que a atividade econômica sobe. No primeiro, tinha caído 0,46%. Depois, caiu 0,08%.

E outra constatação é que essa melhora na economia acontece apesar de todas as polêmicas e turbulências na política, muitas delas provocadas pelos próprios integrantes do governo. Exemplo: o rompimento tumultuado do presidente com seu agora ex-partido, o PSL, para fundar uma nova sigla e rachando a única bancada que votava incondicionalmente a seu favor no Congresso. Outro exemplo: a surreal polêmica iniciada com a revelação de como foi escolhido o general Hamilton Mourão para ser vice-presidente e como o deputado Luiz Philippe de Orleans foi descartado. Ou a fala do deputados federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, sobre o AI-5.

Situações como essa, que ocorrem todos os dias, só servem para criar incertezas em relação ao governo. E justamente num momento em que setores da economia dão sinais de recuperação, como é o caso do ramo imobiliário, do varejo e dos serviços, entre outros. É fácil apostar que se o governo conseguisse reduzir seu índice de balbúrdia interna melhoraria mais ainda os indicadores da economia e aceleraria a retomada do crescimento do País.

Tudo o que sabemos sobre:

IBC-BrEconomia