Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: Bolsonaro banca aposta arriscada contrariando o mercado

Marcelo de Moraes

O mercado foi surpreendido com a decisão tomada por Jair Bolsonaro de interferir no preço do diesel, fazendo com que a Petrobrás suspendesse o aumento previsto de 5,7%. A decisão derrubou o valor das ações da estatal e irritou o mercado que viu reaparecer o fantasma de um governo intervindo nas decisões da Petrobrás, exatamente como aconteceu durante o governo de Dilma Rousseff.

Mas cada lado cuida dos seus fantasmas. Se o mercado se irritou com a possibilidade de ver um presidente assombrar novamente a política da Petrobrás, Bolsonaro também quis espantar qualquer risco de uma repetição da paralisação dos caminhoneiros, como ocorreu no ano passado, num movimento que parou o País e quase provocou um colapso de abastecimento. O medo que o aumento do diesel deflagrasse uma nova greve dos caminhoneiros não deixou dúvidas em Bolsonaro que decidiu barrar a medida. Só que, agora, precisará administrar a péssima reação do mercado, que além de derrubar as ações da Petrobrás, como consequência, também passa a ficar com o pé atrás em relação ao governo. O presidente, claramente, decidiu pagar para ver ao bancar uma aposta de alto risco e contrariar o mercado, que, até então, vinha dando chancela integral ao seu governo, especialmente por conta do ministro Paulo Guedes. /Marcelo de Moraes

 

Tudo o que sabemos sobre:

Petrobrasdieselcaminhoneiros