Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: Câmara já busca fontes para bancar prorrogação de auxílio

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Há um consenso se formando entre os deputados de que os três meses de pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 poderão ser insuficientes para cobrir as dificuldades financeiras enfrentadas pelas pessoas por causa da crise do novo coronavírus. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ontem ao BRP que está discutindo a questão com os outros deputados. E, para viabilizar o plano, a ideia é que sejam apontadas fontes de recursos já existentes para bancar a prorrogação do auxílio.

O presidente Câmara, Rodrigo Maia

O presidente Câmara, Rodrigo Maia Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Como se sabe, governo e equipe econômica têm resistido a essa prorrogação por conta do impacto financeiro. E tem acenado, quando muito, com uma extensão do auxílio por mais um mês ou com um valor menor do que os R$ 600 que estão sendo pagos atualmente, de R$ 200. Por isso, o plano de Maia é encontrar recursos que já estejam sendo destinados pelo governo para alguma despesa que não seja prioridade nesse momento e repassá-los para custear a prorrogação do auxílio.

Mas ainda não existe a definição de quais fontes serão apontadas como sugestão. “Estamos estudando”, disse Maia ao BRP. “Se a crise continuar, ele vai ser tão importante quanto está sendo agora”. Maia concorda, porém, que é necessário ter cautela para que não se fique propondo despesas sem apontar de onde esses gastos virão.