Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Do Marcelo: Previsão do governo para o PIB segue otimista demais

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Diante do impacto do coronavírus, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia decidiu rever para baixo a expectativa para o crescimento do PIB brasileiro em 2020. Mesmo baixando a estimativa de 2,4% para 2,1%, a aposta SPE ainda é otimista. Com o mercado sendo varrido não apenas pelo coronavírus, mas agora também pelos efeitos da guerra do petróleo envolvendo árabes e russos, uma aposta de crescimento acima de 2% assume muito mais um ar de wishful thinking do que de um cenário realista.

A conta da SPE é, inclusive, mais otimista do que o relatório Focus do Banco Central, que também reviu sua projeção de 2,17% para 1,99% nesta segunda.

O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, e o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues

O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, e o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues Foto: Albino Oliveira/Ascom-ME

Com o PIB de 2019 causando frustração por ter sido de apenas 1,1%, uma nova decepção do crescimento econômico no segundo ano de governo vai ampliar o desgaste político do presidente Jair Bolsonaro. Por mais que o coronavírus seja um fator que independe de ações do governo, a reação ao problema depende, sim, das decisões que o Planalto e a equipe econômica tomarem diante do problema.

E a primeira fala de Jair Bolsonaro, enquanto ainda estava nos Estados Unidos, foi a pior possível. O presidente preferiu classificar o problema como “uma pequena crise” e que é “muito mais fantasia”.

“Obviamente, temos, no momento, uma crise, uma pequena crise. No meu entender, muito mais fantasia, a questão do coronavírus, que não é isso tudo que a grande mídia propala ou propaga pelo mundo todo”, disse ele.