Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Dois anos para ‘reorganização’ fiscal da casa

Equipe BR Político

Na avaliação do presidente em exercício, Hamilton Mourão, os dois primeiros anos do governo Jair Bolsonaro servirão para “reorganizar a crise fiscal”. Ele admitiu que, apesar de não haver previsão de contingenciamento em 2020, o Orçamento do próximo ano ainda não será suficiente para destravar projetos do Executivo. Neste ano, a verba disponível ao governo foi prevista pela gestão de Michel Temer.

“A ideia é que ano que vem não terá contingenciamento, porque o financeiro vai acompanhar a dotação. Essa é a previsão do Ministério da Economia. Nós vamos ter menos recursos, mas a gente já sabe que desde o começo vai ter aquele recurso”, disse. Questionado se recursos serão suficientes para destravar projetos de pastas como o Ministério da Defesa, Mourão avaliou que “não vai ser o suficiente”.

“A gente sabe que esses dois primeiros anos do governo são para reorganizar a crise fiscal que o País passa. Essa crise tem características muito claras, porque nós temos uma quantidade de despesa obrigatória muito grande. E a gente tem que tentar reverter isso aí”, acrescentou.