Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Doria faz contraponto a Bolsonaro

Vera Magalhães

Não é de hoje que João Doria Jr. vem procurando ser um contraponto mais racional e ao centro às ideias e atitudes mais polêmicas de Jair Bolsonaro. Em entrevista à Folha nesta quarta-feira ele evidencia essa intenção ao desdenhar da influência de Olavo de Carvalho, guru de setores do governo, e ao criticar a ideia de se comemorar o golpe de 1964. Para o tucano, não é possível negar que houve uma ditadura no país. “Não se pode apagar o passado”, diz.

Sobre Olavo de Carvalho, Doria adotou um desdém que evidencia uma crítica. “Eu prefiro não emitir a minha opinião sobre Olavo de Carvalho. Até porque não considero importantes as opiniões que ele tem a emitir sobre o Brasil. Porque ele nem sequer vive aqui. O general Mourão merece respeito e consideração. É uma boa pessoa. Tem procurado se conduzir bem, com estabilidade, bom senso, equilíbrio e preservando a relação com o presidente”, afirma o governador paulista.