Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Doria refuta Bolsonaro e diz que não vai ‘politizar’ vacina

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

João Doria (PSDB) dedicou os minutos iniciais da coletiva do governo de São Paulo nesta sexta-feira, 31, para rebater as críticas do presidente Jair Bolsonaro da noite da quinta. O governador refutou questionamentos à vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac com o Instituto Butantan depois que Bolsonaro, em sua live semanal, rejeitou imunizações desenvolvidas pela China e “tranquilizou” sua militância ao dizer que seu governo não está negociando a droga desenvolvida pelo país. “O governo de São Paulo rejeita preconceitos ideológicos. Aqui preferimos investir e ter uma vacina a não ter nenhuma”, afirmou no Palácio dos Bandeirantes. 

O governador de São Paulo, João Doria, em coletiva nesta segunda

O governador de São Paulo, João Doria, em coletiva Foto: Governo do Estado de São Paulo

O tucano mencionou boatos que correm com frequência pelas redes sociais sobre a imunização chinesa e os classificou como “ações de extremistas”. “Não politizei o vírus e não vou politizar a vacina. Lamento profundamente ações de extremistas que utilizando as redes sociais difundem informações falsas, agressivas e temerosas dizendo que a vacina vai produzir efeitos colaterais, que pode matar ou que a vacina não vai funcionar”, disse. A militância bolsolavista tem adotado uma postura anti-vacina, em especial à chinesa. “Em São Paulo nós não temos nada contra a China”, disse Doria.

Visita de Bolsonaro

O governador também mencionou a visita que o presidente disse que faria à região do Vale do Ribeira no Estado, agradeceu Bolsonaro por adiar o plano, e afirmou que não é o “melhor momento para andar de jet-ski e passear de helicóptero” no local.

Também na quinta, Bolsonaro afirmou que teria de adiar a ida se a região voltasse à fase mais restritiva da quarentena em São Paulo. “Pela segunda vez, o senhor governador de São Paulo, sua excelência, João Doria, nada a ver com a minha ida lá, mas iria baixar um decreto transformando por um tempo, não sei quanto, em área vermelha o Vale do Ribeira. Se isso acontecer, vou ser obrigado, mais uma vez, a adiar minha ida ao Vale do Ribeira”, disse o presidente. “Está convidado, não tem problema político comigo. Pode falar”, disse.

Doria de fato anunciou a mudança da classificação da região da fase amarela para a fase vermelha, de maior restrição, nesta sexta, na nona atualização do Plano São Paulo de reabertura econômica, e fez uma provocação ao presidente. “Quem sabe após estas manifestações eu me disponha a passear de jet-ski com o presidente Jair Bolsonaro. Neste momento a nossa prioridade é proteger vidas, garantir a saúde da população no Estado e entendemos que agora não é momento para promover festas, aglomerações ou qualquer atividade dessa natureza”, disse.