Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Doria sobre lockdown: ‘Não haverá decisão de ordem política’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Com dificuldades para fazer subir a taxa de isolamento social no Estado, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirma que a decisão sobre um bloqueio mais rígido na circulação, o lockdown, será feita se o comitê estadual de saúde julgar necessário para conter o número de casos de covid-19 e evitar o colapso do sistema de saúde.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) Foto: Daniel Teixeira/Estadão

“São diversos tipos de protocolos, local e regional. Quem vai dizer se a necessidade motiva aplicação ou não é o comitê de saúde. Não haverá nenhuma decisão de ordem política nem de inibir e nem de aplicar, exceto aquela determinada pela saúde”, disse Doria, em entrevista ao Estadão.

O governador critica a postura do governo federal em relação ao uso da cloroquina no tratamento de pacientes com covid-19. Segundo Doria, independentemente de uma decisão nacional, o Estado vai continuar pautando o uso do medicamento na ciência.”Em São Paulo vai prevalecer a decisão médica, da ciência e da saúde. Nenhuma decisão de ordem política, pessoal, personalista, partidária ou ideológica será colocada à frente da ciência. Se qualquer manifestação, ainda que por decreto do governo federal, ferir os princípios da ciência e da proteção à vida, aqui não será praticado. Iremos à Justiça se necessário”, diz.

Isolamento

Na avaliação de Doria, a dupla comunicação sobre as medidas de distanciamento social, feitas pelo governo Bolsonaro e pelo Estado, é o que dificulta a adesão da população às medidas de isolamento impostas em São Paulo.

“Porque temos uma dupla comunicação para a opinião pública. Governadores e prefeitos, em sua maioria, fazem esforço pelo isolamento, mostram a importância da medida para proteção à saúde e à vida e recomendam que as pessoas fiquem em casa. Por outro lado, o governo federal, por meio do presidente da República, orienta exatamente o inverso. (O presidente) não usa máscaras quando deveria utilizar, promove aglomerações, se pronuncia contrariamente ao isolamento, classifica o coronavírus de uma gripezinha e resfriadozinho, e em vez de estar em casa se diverte, passeando de Jet Ski, fazendo exercício de tiro, promovendo churrasco ou tendo a intenção de fazê-lo”, disse Doria.

Tudo o que sabemos sobre:

João DoriacoronavírusSão Paulolockdown