por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Economista questiona ‘desenvolvimento sem inclusão social’

Equipe BR Político

Para o professor da professor da Universidade da Califórnia, o economista Barry Eichengreen, o embate entre as duas maiores potências do mundo, EUA e China, deixou de ser comercial e passou a ser visto por políticos americanos como um conflito sobre segurança nacional e influência, como se vivessem uma nova “guerra fria”. Na Casa Branca, muitos políticos não teriam “flexibilidade mental para entender que a única solução é trabalhar junto”. Essa disputa, diz, pode acelerar uma recessão global, com impacto para o Brasil. Sua avaliação é de que o atual governo brasileiro “não terá vida longa” caso não combine crescimento econômico com inclusão social:

“O governo não deve escolher entre fazer reformas estruturais ou se preocupar com equidade e inclusão econômica. Deve tentar os dois. Fazer reformas e não prestar atenção para inclusão não é sustentável. Vocês tiveram um governo (de Dilma Rousseff) que foi derrubado porque favoreceu inclusão, mas foi incapaz de fazer reforma estrutural. Agora têm um governo que faz reforma, mas não se preocupa com inclusão. Esse governo não terá vida longa. As pessoas que ficarem para trás vão reagir. Tem de fazer os dois. Nós não somos muito bons em fazer ambos nos EUA. Fazemos reformas, mas não temos Estado de bem-estar social”.

Tudo o que sabemos sobre:

EUAChinaBrasil