Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Edital de filme pergunta: ‘Há cenas de nudez ou sexo?’

Equipe BR Político

Na esteira das críticas que o presidente Jair Bolsonaro tem feito à Ancine, um edital para seleção de projetos de audiovisual em longa-metragem lançado pela BB DTVM, gestora de fundos de investimentos do Banco do Brasil, questiona o propositor sobre a existência de cenas de nudez ou sexo explícito nos filmes que buscam patrocínio da empresa via Lei do Audiovisual. “Serão exibidas cenas de nudez ou sexo explícito?”, questiona a inscrição. Além dessa, o documento ainda traz outras perguntas que estão no bojo de críticas e polêmicas nas quais o governo Bolsonaro já se envolveu, como “a obra tem cunho religioso ou político?” e “a obra faz referência a crimes, drogas, prostituição ou pedofilia?”.

Para o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, o edital é uma tentativa de censura por parte do governo. “É um absurdo o governo usar o Banco do Brasil para aplicar esta clara tentativa de censurar, através da força do dinheiro, o cinema brasileiro. Se um filme aborda uma temática relacionada a uma religião diferente da do presidente, não poderá ser realizado?”, disse ao UOL o secretário de Assuntos Jurídicos da entidade, João Fukunaga. O sindicalista lembra que vários filmes brasileiros com cenas de nudez já foram premiados internacionalmente e que, além de atentar contra o estado laico, a postura do governo e da direção do banco é equivocada. A reportagem do UOL enviou e-mail com pedido de posicionamento para a assessoria de imprensa do Banco do Brasil, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.