Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Eduardo compara Amoêdo a ‘protozoário’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O vale-tudo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para deslegitimar as recentes ações do Supremo Tribunal Federal em investigação contra aliados da Presidência da República incluiu ofensa nesta sexta, 29, ao empresário João Amoêdo (Novo). O parlamentar, que sustenta ser inevitável uma ruptura institucional, com odes ao artigo 142 da Constituição, chamou o ex-candidato presidencial de “protozoário” por ter compartilhado um artigo do advogado Eugênio Pacelli no Twitter de apoio ao inquérito das fake news na Corte.

“Enquanto cidadãos são presos por crime de opinião, com base em um ato inconstitucional, João Amoêdo defende o sistema. Sorte do Brasil que esse senhor tem o mesmo potencial eleitoral de um protozoário”, disparou Eduardo nesta tarde.

No artigo, o ex-membro do Ministério Público Federal afirma que “o falso agora atingiu o nível da independência e da autonomia. Verdade ou mentira passaram a ser uma questão de opinião. E de quem a vocifera com mais espaço e rancor”. Pacelli destaca que liberdade de expressão não pode ser usada para propagação de mentiras.

“Ora, os ataques conscientemente mentirosos desferidos à Suprema Corte não traduzem exercício de liberdade de expressão, na medida em que, deliberadamente, criam fatos e motivações inexistentes no âmbito de decisões daquele Tribunal. Trata-se de mentira, na concepção do próprio autor, que sabe ser sua a criação ou versão. Por isso, pode constituir crime, a depender do respectivo conteúdo”, escreveu.

Publicação do deputado Eduardo Bolsonaro