Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Eduardo posta vídeo que acusa China de causar crise mundial

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

Dois dias depois Jair Bolsonaro fazer uma teleconferência com o presidente da China, Xi Jinping, para aplacar o incidente diplomático com aquele País provocado pelo filho Eduardo Bolsonaro, o deputado federal postou na noite de quarta-feira em sua conta no Twitter um vídeo do canal Terça Livre com o seguinte título: “Comunismo chinês usou vírus para provocar crise mundial”.

O deputado Eduardo Bolsonaro

O deputado Eduardo Bolsonaro Foto: Dida Sampaio/Estadão

No post, Eduardo recomendou a live do canal bolsonarista com o seguinte comentário: “Agora ao vivo @tercalivre mostrando o que muitas imprensas não mostram”. O vídeo ataca o governador de São Paulo, João Doria, com a hashtag #DoriaEguadeTroia.

Os apresentadores chamam os militares a darem uma “resposta peremptória” a uma suposta conspiração contra Bolsonaro. Ao lerem mensagens de espectadores apresentaram pedidos de “ditadura de direita”.

Ele também divulgou texto do portal Brasil sem Medo, ligado a Olavo de Carvalho, com o título: “Governadores se aliam à China contra Bolsonaro”, que aponta a realização de uma reunião entre o embaixador chinês no Brasil e os governadores João Doria (SP), Romeu Zema (MG), Ronaldo Caiado (GO), Eduardo Leite (RS) e Helder Barbalho (PA) como uma conspiração contra o governo federal — sendo que o próprio Bolsonaro se reuniu dois dias antes não com o embaixador, mas com o presidente da China, que vem a ser o maior parceiro comercial do Brasil.

No post, o deputado Eduardo Bolsonaro diz que a reunião “que não estava na agenda de Doria e não foi repercutida pela imprensa vem à tona”. O texto compartilhado por Olavo de Carvalho e repostado por ele diz que o embaixador passou “mensagens desrespeitosas à família presidencial”, retomando o incidente que Bolsonaro se esforçou para aplacar na conversa com o presidente chinês, Xin Jinping.

O BRP ouviu os governadores Doria, Helder Barbalho, Eduardo Leite e Caiado. Os quatro dizem que tiveram conversas telefônicas com o embaixador chinês, Yang Wanming, na terça-feira, e não ontem, e separadamente, e não na forma de nenhuma reunião secreta, como diz o post compartilhado pelo filho do presidente, que aponta uma “anarquia dos governadores” contra a liderança do presidente.

Os três afirmam que as conversas trataram da cooperação da China nos esforços de combate à covid-19 e não mencionaram Bolsonaro. Embora o texto fale numa espécie de conspiração e diga que a reunião foi omitida, ao menos no caso de Goiás a conversa telefônica foi divulgada no site do governo do Estado.