Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Eduardo se defende: ‘Todo mundo tem um assessor de internet’

Gustavo Zucchi

Após a revelação de que um perfil no Instagram acusado de disseminar fake news era controlado por um funcionário de seu gabinete, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se defendeu. E não apenas minimizou a denúncia, como garantiu que o trabalho continuará a ser feito e que não pode ser punido por isso.

“Esse tipo de atividade não é novidade em lugar nenhum. Na Câmara todo mundo tem um assessor de internet. É tudo narrativa. Meu assessor segue comigo, continuará trabalhando comigo. Eu não dou ordens em relação ao perfil que ele tem e não dá para dizer que isso é crime”, disse em vídeo divulgado em suas redes sociais.

Como é costume, Eduardo também atacou desafetos. Lembrou, por exemplo, que o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) possui um “departamento de memes” em seu gabinete. Joice Hasselmann (PSL-SP), que assumiu nesta quarta-feira, 4, a liderança do PSL na Câmara no lugar do filho do presidente, também foi questionada pelo crescimento nas redes sociais.

“Tampouco posso ser punido no Conselho de Ética. Segundo a Constituição, não posso responder por condutas de terceiros. No mais, “tamo junto” nessa guerra cultural. Ao contrário deles, não temos milicia organizada. Temos a população de bem”, completou.

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo Bolsonarofake news