Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Eleição nos EUA deste ano será a mais cara da história: US$ 14 bilhões

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

De acordo com o Center for Responsive Politics (CRP), que monitora fluxo de verba pública na política, a eleição deste ano nos Estados Unidos será a mais cara da história, com custo estimado de US$ 14 bilhões, o dobro gasto em 2016. Segundo o grupo de estudo, houve aumento de aportes a partir da nomeação da juíza conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, no lugar da progressistas Ruth Bader Ginsburg.

Photos by SAUL LOEB and Ronda Churchill / AFP

O democrata Joe Biden deve se tornar o primeiro candidato presidencial da história a arrecadar US$ 1 bilhão, sem contar o dinheiro do partido e de grupos políticos aliados, de acordo com o CRP. Nos últimos três meses, o comitê de arrecadação da campanha de Donald Trump recebeu US$ 596 milhões em doações.

Os gastos feitos por comitês de ação política, partidos e ONGs de ativismo político, que não são obrigados a divulgar seus doadores, representaram US$ 2,6 bilhões dos custos da eleição de 2020, quase o dobro do valor que havia sido gasto até este momento no ciclo eleitoral de 2016, de acordo com CRP.

Dos US$ 14 bilhões previstos, US$ 6,6 bilhões foram e são gastos com pesquisas, contra os US$ 2,4 bilhões gastos com o mesmo expediente na disputa de 2016.

A maior parte do montante vem de doadores individuais milionários (41,53%), como o empresário do ramo de cassinos em Las Vegas, Sheldon Adelson, e sua mulher Miriam doando US$ 183 milhões, sendo US$ 75 milhões deles para a campanha de Trump, e o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, em segundo lugar, com US$ 107 milhões aos comitês democratas. Nesta semana, o milionário anunciou que vai gastar outros US$ 15 milhões para impulsionar Biden no Texas e em Ohio, Estados conquistados por Trump que os democratas querem abocanhar.

Se analisados os grupos de interesse doadores de campanha, em primeiro lugar está o setor de segurança/investimento, seguido de escritórios de advocacia e empresas de educação.

Tudo o que sabemos sobre:

EUAgastocampanhaJoe BidenDonald Trump