Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Eleições na Espanha dificultam formação de governo

Equipe BR Político

As eleições na Espanha resultaram em um parlamento ainda mais fragmentado que antes e o Partido Socialista (PSOE), do líder do governo Pedro Sánchez, não conseguiu a maioria absoluta que esperava para formar um governo. As eleições, convocadas por Sánchez na tentativa de atingir uma maioria que possibilitasse formar um governo sem precisar negociar coalizões com outros partidos, resultaram em uma perda de três cadeiras ao seu partido, na comparação com as legislativas de abril. Nem a esquerda nem a direita conseguiram uma maioria absoluta.

Além do insucesso do PSOE, a nova eleição também teve um outro resultado: um grande avanço da extrema direita, com o partido Vox, que elegeu 52 deputados, mais que o dobro das 24 cadeiras conquistadas pelo partido na eleição anterior. O resultado segue uma tendência mundial de fragmentação política, de acordo com o especialista em ciência política e relações internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Maurício Santoro. 

“O governo britânico não consegue ganhar votações importantes sobre o Brexit, há o caso de Israel, onde houve duas eleições neste ano e Netanyahu acabou sendo afastado do governo, a queda do governo italiano. É um problema global”, afirma o especialista. 

O líder espanhol diz ainda que quer finalizar as negociações para a formação de um governo ainda neste ano. Suas possibilidades envolvem negociações com o partido da esquerda radical Podemos, frustradas em tentativa realizada em julho, que conseguiu 35 cadeiras e com o de oposição conservadora, Partido Popular (PP), que ficou com 88 cadeiras. A probabilidade, no entanto, de acordo com Santoro, de uma negociação e formação de governo até o final do ano não é nula, mas é baixa. “É a segunda eleição no ano e até agora não saiu um governo. Isso exigiria um nível de habilidade política muito grande por parte de Pedro Sánchez, que até agora não comprovou ter.” (Roberta Vassallo, especial para o BRP)