Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Eleições nas Redes: A disputa paulistana no YouTube

Marlos Ápyus

Exclusivo para assinantes

De uma maneira geral, as redes sociais dependem de uma solicitação do usuário —no caso, a rolagem da página— para apresentar novos conteúdos. É uma dinâmica distinta da TV, que entrega novidades ao telespectador desde que esteja ligada. Por isso, o impacto de serviços como o YouTube, cada vez mais ativos nas smart TVs, merece a atenção de uma cobertura eleitoral.

Em São Paulo, dos 13 nomes que restaram na disputa, seis mantêm canais no YouTube. Os de Jilmar Tatto e Levy Fidelix ainda engatinham. Protagonista do “Mamãe Falei”, Arthur do Val é o nome mais relevante, com 2,7 milhões de assinantes. Mas Joice Hasselmann (com 906 mil) e Celso Russomanno (com 740 mil) não ficam muito longe.

Por isso, o feito de Guilherme Boulos vale o registro. Com apenas 90 mil inscritos, somou 2 milhões de visualizações nos últimos 30 dias, de acordo com o monitoramento do Social Blade. Arthur do Val, que tem 30 vezes mais seguidores, atingiu um resultado “apenas” 5 vezes melhor, vindo a liderar essa corrida com 9,6 milhões de visualizações. E Joice Hasselmann, que tem 10 vezes mais assinantes que o candidato do PSOL, teve apenas 15% da atenção no mesmo período.

Ao todo, o sexteto se aproximou dos 13 milhões de “plays” neste outubro. Se monetizados, de acordo com estimativas do Social Blade, poderiam findar em uma receita publicitária de até R$ 294 mil por mês. A quantia seria suficiente para bancar todo o investimento que os seis fizeram no Facebook, e ainda sobraria por volta de R$ 93 mil para outras despesas.

Mas esse é o melhor cenário. No pior, ainda segundo o Social Blade, os ganhos não passariam de R$ 19 mil. E o mercado publicitário em português é bem menos lucrativo que o de língua inglesa, o que torna este desenho mais realista.

Visitando os referidos canais, percebe-se alguns anúncios nos de Russomanno, Hasselmann e Mamãe Falei. Este último, inclusive, responderia por três quartos do lucro, algo próximo de R$ 14 mil (no pior cenário). Para efeito de comparação, um salário de deputado estadual em São Paulo está na casa dos R$ 25 mil.

Tudo o que sabemos sobre:

YouTubeeleições 2020redes sociais