Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Eleições nas Redes: Bruno Covas reage

Marlos Ápyus

Exclusivo para assinantes

Concluída no último dia 21, a terceira rodada da pesquisa Datafolha finalmente mostrou Bruno Covas à frente de Celso Russomanno. O atual prefeito apostava todas as fichas no maior tempo de TV da corrida pela prefeitura de São Paulo. Mas nenhuma candidatura evoluía mais do que a de Guilherme Boulos, cuja intenção de votos saltara de 9% para 14% após uma atividade intensa nas mais variadas redes sociais.

Com apenas um tímido trabalho no Instagram, Covas era um alvo fácil para os adversários, que chegavam a sincronizar ataques ao líder nas pesquisas. Desde 13 de outubro, contudo, a assessoria do prefeito reserva também alguma atenção ao Twitter e ao Facebook. O que, somado ao trabalho realizado nas mídias tradicionais, apresentou resultados em menos de duas semanas.

No último dia 26, de acordo com o ranking de popularidade digital preparado pela consultoria Quaest, o tucano superou Arthur do Val, se tornando o segundo candidato mais popular na web, atrás apenas de Boulos. Um mês antes, Covas era o décimo primeiro, perdendo até mesmo para Levy Fidelix e Vera Lúcia, opções que nem espaço no horário eleitoral possuem.

No Facebook, mais de 200 mil pessoas interagiram com a página do prefeito nos últimos sete dias, o que é um resultado relevante para quem conta com “apenas” 106 mil curtidas. No Instagram, o perfil vem somando diariamente uma média de 151 novos seguidores, o triplo do que se observa no Twitter. No Google, as buscas por Bruno Covas só foram superadas em outubro pelas buscas por Joice Hasselmann.

Nem tudo é orgânico. A campanha já investiu R$ 48 mil em impulsionamento pago nas redes de Mark Zuckerberg. O que é bastante, mas ainda menos que o investido por Boulos (R$ 57,6 mil), Russomanno (R$ 70 mil) e Arthur do Val (R$ 91,2 mil).

Se, no ranking da Quaest, continua muito atrás do candidato do PSOL, Covas é neste momento o único trabalho em redes sociais que não parece ter encontrado um teto. Tal avanço é importante para evitar surpresas negativas num eventual segundo turno com Boulos — na segunda etapa, o tempo de apresentação no rádio e na TV é dividido igualmente entre os finalistas.