Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Eleições nas Redes: Em Fortaleza, a disputa mais ‘impulsionada’

Marlos Ápyus

Exclusivo para assinantes

Desde os “tuitaços de Marina Silva em 2010, é comum que os candidatos com menos tempo de TV foquem o trabalho nas campanhas digitais. Em São Paulo, por exemplo, Arthur do Val é quem mais investiu em publicidade nas redes sociais. Com apenas 16 segundos de fala no programa eleitoral, o candidato do Patriota já investiu R$ 71,6 mil em impulsionamento no Facebook e Instagram.

Mas a cifra paulistana parece pequena perto do que se observa em Fortaleza, mesmo da parte dos que mais “tempo de TV” possuem. Nos mesmos 30 dias de campanha na web, José Sarto investiu R$ 438 mil em propaganda nas empresas de Mark Zuckerberg; o Capitão Wagner, que lidera as pesquisas, investiu R$243 mil; e Luizianne Lins, que vem garantindo uma vaga no segundo turno, gastou R$ 71 mil.

Somado, o trio já apostou mais de R$ 750 mil nas redes sociais, quase metade do R$ 1,7 milhão que todos os candidatos do Ceará investiram no intervalo entre 26 de setembro e 25 de outubro.

Sarto é o nome de Ciro Gomes na disputa. Em terceiro lugar no Datafolha de 16 de outubro, o deputado estadual é pouco conhecido, o que faz a família Ferreira Gomes viver o risco de perder o domínio da capital cearense após oito anos. Em primeiro, Wagner é a opção lógica do eleitor bolsonarista. Em ambos os casos, as redes sociais se apresentam como o caminho ideal para o sucesso.

Ontem, João Santana afirmou no Roda Viva que só o fim do conflito entre lulistas e ciristas permitiria o nascimento de uma chapa imbatível para a eleição presidencial de 2022. No entanto, o próprio ex-marqueteiro de Dilma Rousseff reconheceu a impossibilidade de a ideia sair do papel.

Em Fortaleza, a disputa deste ano é vista como uma espécie de reprise da corrida presidencial de 2018. Liderada por um controverso capitão, terá a definição do segundo turno a partir de uma briga entre uma candidatura do PT e do PDT. Trata-se de um filme que o Brasil já viu. E beneficiou o polo que não se dividira.