Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Em café com Bolsonaro, PSC pede mais espaço

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Investigado pelo Supremo Tribunal Federal em inquérito sobre apoio e financiamento de atos antidemocráticos, o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) tomou café da manhã com o presidente Jair Bolsonaro nesta quarta, 24, junto à bancada do partido, no Palácio da Alvorada, para cobrar cargo no governo com o argumento de que a sigla só quer “tratamento igualitário”. Em entrevista ao Broadcast Político, o parlamentar investigado, que foi um dos 11 alvos da quebra de sigilo bancário determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, falou da fidelidade do partido aos interesses do Planalto. “Que espaço o PSC tem hoje (no governo)? Queremos apenas tratamento igualitário”, afirmou Otoni ao Broadcast Político. “Foi um encontro de aproximação política, já que o PSC votou quase 90% dos interesses do governo”, emendou.

O deputado Otoni de Paula

O deputado Otoni de Paula Foto: Dida Sampaio/Estadão

Segundo o parlamentar, o presidente demonstrou disposição em atender à demanda do aliado. “Quem estiver recebendo cargo e achar que o Brasil é o mesmo terá problemas. Não vou compactuar com a corrupção”, disse Bolsonaro, de acordo com o relato do investigado.

Além disso, a bancada do PSC lembra que a política no plano federal não pode ser associada à oposição que o governador do Rio, Wilson Witzel, que é filiado ao PSC, tem feito contra o presidente e o governo.

Inquérito

O deputado acusou o ministro do STF de abuso de autoridade porque, segundo ele, qualquer brasileiro tem o direito de “xingar” ministros do STF. Ele defende ainda a ativista extremista Sara Giromini, que está presa, e os disparos com fogos de artifício contra a Suprema Corte, uma vez que os artefatos teriam sido arremessados contra o céu, e não contra o Tribunal. Moraes já respondeu a esses argumentos: “Liberdade de expressão não se confunde com ameaça, com atentado”. O mesmo fez o ministro Luís Roberto Barroso: “Grupos armados que fazem ameaças não são militantes”.

Tudo o que sabemos sobre:

PSCJair Bolsonarocentrão