Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Em estreia, Nunes Marques vota por imposição de derrota a Lava Jato

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O primeiro voto do ministro Kassio Nunes Marques no Supremo Tribunal Federal foi pela imposição de uma derrota à operação Lava Jato nesta terça-feira, 10. Considerado “relâmpago” em comparação à tradição de votos longos do Supremo, o voto do ministro durou um minuto e meio, e atendeu às expectativas de que Marques adotaria uma posição garantista na Corte. O ministro acompanhou o relator, Gilmar Mendes, e confirmou por 4 a 1, a soltura de um promotor denunciado por corrupção em um esquema derivado da Lava Jato no Rio. O julgamento da segunda turma impôs uma derrota também ao juiz Marcelo Bretas.

O ministro do STF Kassio Nunes Marques em sessão da segunda turma do Supremo nesta terça

O ministro do STF Kassio Nunes Marques em sessão da segunda turma do Supremo nesta terça Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF

Os ministros definiram também, por 3 votos a 2, que a acusação de pagamento de propina por empresários do setor de ônibus no Rio de Janeiro deve tramitar na Justiça Estadual, e não na 7ª Vara da Justiça Federal, que tem como titular o juiz Marcelo Bretas. O alinhamento contou também com o minsitro Ricardo Lewandowski, outro crítico à operação no Tribunal. O minsitro Edson Fachin foi o único que votou contra as duas decisões.

Nunes Marques tomou posse na semana passada e foi elogiado pelo presidente do STF, Luiz Fux, que afirmou que o ministro tem “notório saber jurídico, reputação ilibada e independência olímpica”. O escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para entrar na vaga de Celso de Mello na Corte enfrentou uma crise depois de reveladas inconsistências no seu currículo acadêmico.