Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Em grupo com secretário de Guedes, empresário anuncia que vai financiar atos

Vera Magalhães

Um grupo de WhatsApp criado em setembro de 2018 e batizado de “Mkt Bolsonaro” está sendo usado para a discussão dos atos convocados para o próximo dia 15 de março em defesa do governo Jair Bolsonaro e contra o Congresso. O grupo conta com a participação de empresários, investidores do mercado financeiro, blogueiros de sites bolsonaristas, comentaristas políticos e até um integrante do governo, o secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

O investidor Otavio Fakhoury, financiador do site Crítica Nacional, e o editor do mesmo site, Paulo Enéas, fazem parte do grupo Mkt Bolsonaro. No último dia 21, antes, portanto, da divulgação, por parte do presidente, de vídeos convocando as pessoas para as manifestações de 15 de março, Fakhoury bateu boca com a representante do Vem pra Rua no grupo, pelo fato de o movimento não declarar apoio aos protestos. E anunciou que pretende “ajudar a pagar o máximo de caminhões que puder” para os atos. “Convocarei todos que eu conhecer”, afirmou.

Na discussão, o investidor ainda emendou: “Não vou deixar esses canalhas derrubarem esse governo”.

Antes de Fakhoury anunciar que pretende financiar a infraestrutura do ato pró-governo e anti-Congresso, a representante do Vem pra Rua tenta argumentar que o grupo não apoia algumas manifestações de Bolsonaro, como o caso envolvendo seu filho Flávio e a criação do juiz de garantias. “O Vem pra Rua não pauta a rua, ele dá voz à rua”, diz ela.

Fakhoury responde, irritado: “Quando era o PT roubando os cofres públicos e comprando o Congresso com petrolão, mensalão etc. esses energúmenos não viam nada de autoritário… Agora é que eles veem? Aah, me poupem. Canalhas!” E segue: “Tenho informações de lá de BSB (Brasília). Temos que todos irmos pra rua o quanto antes. VPR não quer ir beleza, no surprise”.

 

Otavio Fakhoury não é um personagem novo na tropa de choque bolsonarista. Ele apareceu na extensa reportagem da revista Crusoé de outubro de 2019 intitulada “Os blogueiros de crachá“. Ali já eram reveladas conversas em grupos de WhatsApp bolsonaristas dos quais participavam assessores de gabinetes de parlamentares do PSL e palacianos, como Filipe Martins.

A reportagem mostrava como ele organizou um encontro secreto em abril daquele ano num hotel em São Paulo para, nas suas palavras (o áudio estava na reportagem), “planejamento de guerra”. Filipe Martins participou do encontro. De acordo com Fakhoury, a ideia era transformar o hotel numa central de conspiração, e a imprensa não poderia saber.

Como a discrição não é a marca desses grupos bolsonaristas, vazaram as conversas e até uma foto do encontro dos “conspiradores”.

A reportagem da revista ainda demonstrava como Fakhoury atuou em parceria com Martins pela derrubada do general Carlos Alberto Santos Cruz da Secretaria-Geral da Presidência.

Na ocasião, eram outros os grupos de WhatsApp revelados. Neste ao qual o BRP teve acesso, que, como já dissemos, se chama Mkt (abreviação para a palavra marketing) Bolsonaro, figuram personalidades como o secretário Carlos da Costa e o analista político conservador Caio Coppolla, futuro comentarista da CNN Brasil, além de Fakhoury, Paulo Enéas e outros investidores, como Igor Duna Mansour. Os demais não se manifestaram na discussão em que Fakhoury se diz disposto a pagar quantos caminhões forem necessários nos atos do dia 15 de março.

 

 

Ouvi Otavio Fakhoury a respeito das postagens no grupo Mkt Bolsonaro nesta quarta-feira. Ele, que está nos Estados Unidos, me concedeu uma entrevista gravada, que será postada concomitantemente com esta reportagem aqui no BRP, em que confirma a autenticidade da conversa e reafirma a disposição de bancar caminhões de som para os atos do dia 15 — algo que costuma fazer, segundo ele, desde as manifestações pró-impeachment de Dilma Rousseff, com recursos próprios.

Ele afirmou que as informações que diz possuir de Brasília não são de fontes do governo, mas de pessoas que moram lá, e que narram que grupos dentro do Centrão estariam dispostos a promover uma espécie de golpe para manietar Bolsonaro e estabelecer um “parlamentarismo branco” no Brasil. Leia a íntegra da entrevista aqui.

Sobre a participação do secretário Carlos da Costa, do Ministério da Economia, no grupo, ele disse que o assessor de Paulo Guedes pouco participa das discussões, apenas divulga ações da pasta que sejam de “conhecimento público”.

O BRP procurou Carlos da Costa nesta quarta-feira e o questionou sobre sua participação no grupo Mkt Bolsonaro e a conversa sobre o financiamento de infra-estrutura para os atos. Ele leu as mensagens com as perguntas, mas não respondeu até o fechamento deste texto. Tão logo ele se manifeste, suas declarações serão incluídas aqui ou em post independente.

Atualização das 19h10 – O secretário Carlos da Costa encaminhou nota para comentar sua participação no grupo. Leia íntegra aqui.