Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Em plena pandemia, Bolsonaro faz rolezinho por comércio de Brasília

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro cumpriu neste domingo, 29, a principal diretriz de seu protocolo próprio de combate ao coronavírus. Ele teve contato com populares em um longo rolê pelo comércio de Brasília, começando por um posto de gasolina, onde cumprimentou e tirou fotos com frentistas, seguindo na sequência para uma farmácia, padaria e uma mercearia. Antes de ir a outro destino, o presidente esteve no Hospital das Forças Armadas por cerca de 20 minutos. Não há informação oficial sobre a razão da visita ao hospital onde ele fizera testes da covid-19.

Já no caminho de Ceilândia, onde moram familiares da primeira-dama Michelle Bolsonaro, ele parou para conversar com populares e, em Taguatinga, com um vendedor de churrasquinho. “Eu tenho assistido suas palestras na televisão e o senhor não está errado, sabe”, disse o homem ao presidente. “Se não morrer da doença, vai morrer de fome. Eu prefiro morrer de nenhum jeito, né”, afirmou. Como resposta, Bolsonaro reiterou o que tem dito. “O que eu tenho conversado com o povo, eles querem trabalhar. É o que eu tenho falado desde o começo. Vamos tomar cuidado, a partir dos 65 fica em casa…”, declarou Bolsonaro diante da câmera que o acompanhava. O presidente aproveitou para vender o peixe da hidroxicloroquina, substância em teste para combater a covid-19. “Aquele remédio lá, a hidroxicloroquina, está dando certo em tudo quanto é lugar.” O Distrito Federal cumpre decreto do governador Ibaneis Rocha, que determinou o fechamento de lojas e shoppings.

Tudo isso, como você tem lido aqui no BRP, depois de ter reunião tensa com o ministro Luiz Henrique Mandetta por causa das divergências que ambos têm sobre os riscos de estimular a população a romper com o isolamento social. Nela, o titular da Saúde fez advertências ao presidente para que não levasse adiante a ideia de entrar em ônibus e metrôs. A resposta de Bolsonaro ao ministro, à equipe técnica da Saúde, à Organização Mundial da Saúde veio assim, como mostram as imagens abaixo: