Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Em vídeo, Joice ataca Doria e poupa Bolsonaro

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

Um dos primeiros vídeos da campanha a prefeita de Joice Hasselmann faz uma nova guinada no posicionamento da deputada federal pelo PSL: ela suspende as baterias contra Jair Bolsonaro e família, tônica de seu discurso desde que rompeu com o governo e foi destituída da liderança no Congresso, e concentra a artilharia no governador João Doria Jr., a quem apoiou em 2018 e que vinha sendo seu aliado na fase de rompimento com o bolsonarismo.

O vídeo deflagrou a primeira crise interna na campanha. A equipe de marketing da candidata nega a responsabilidade pela peça, que teria sido feita por “amigos” da deputada, apesar de usar toda a identidade visual oficial da candidatura. Na equipe de propaganda de Joice está o publicitário Daniel Braga, que trabalhou nas campanhas de Doria em 2016 e 2018.

O briefing oficial da campanha de Joice previa uma linha mais bem humorada, em que ela brincaria com os memes construídos pelo bolsonarismo para estigmatizá-la. Uma peça nesse caminho, que a equipe oficial admite a autoria, usa inclusive a personagem Peppa, uma porquinha, como uma espécie de mascote. Este foi ao ar nas redes sociais de Joice.

O vídeo em que ela ataca Doria, o chamando de “socialista” e culpando o PT e o PSDB pelos problemas de São Paulo, não está nas redes dela, mas circula em grupos de WhatsApp. A explicação que a candidata teria dado aos seus assessores é que ele seria usado em reuniões com apoiadores, e não na propaganda oficial.

A peça não parece um “proibidão”: é muito bem produzida e tem toda a “cara” dos demais filmes de Joice. Muito bem arrumada e dirigida, a candidata diz que é “vergonhoso” e “nojento” entender o “socialistas do PT e do PSDB”, como Bruno Covas, João Doria e José Serra, que são colocados no mesmo balaio do petista Fernando Haddad, fizeram com a cidade.

Diz que o crescimento do “extremista” e “fora da lei” Guilherme Boulos se deve exclusivamente ao fracasso do PSDB em São Paulo. E pergunta: “quando você olha para João Doria, do que você se lembra, além de um prefeito vestido de gari que deixou de herança o caos?”.

Não há nenhuma menção a Bolsonaro, numa clara tentativa de Joice de obter os votos dos eleitores do presidente — uma aposta para lá de arriscada, uma vez que ela tem sido, e deve continuar a ser, alvo de constantes ataques dos aliados do presidente, com os filhos à frente.

“Nunca mudei de lado”, diz a deputada, a despeito dos recentes rompimentos com Doria e com o próprio presidente.

Outro fato que torna difícil acreditar no caráter “extraoficial” do vídeo com os ataques a Doria é que ele é emendado, com a mesma fotografia, trilha sonora e vinhetas, com um filme com as propostas da candidata para áreas como educação, empreendedorismo e saúde.