Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Embaixada da China repudia manifestação ‘racista’ de Weintraub

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

A Embaixada da China no Brasil publicou neste domingo sua mais dura nota desde que o País começou seus desentendimentos com expoentes do bolsonarismo por conta da pandemia do novo coronavírus. O alvo, desta vez, foi um tuíte do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que usou a  ‘língua do Cebolinha”, com a letra “l” no lugar do “r”, para estigmatizar a China e insistir na tese de que a propagação da covid-19 atenderia a interesses do País de suplantar outras potências globalmente.

Na nota, assinada pelo porta-voz da embaixada em Brasília, a China aponta “declarações difamatórias contra a China”, “estigmatizando” o País ao associá-lo à origem e à disseminação da covid-19. “Deliberadamente elaboradas, tais declarações são absurdas e desprezíveis, têm conteúdo fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”, diz o texto, para em seguida manifestar “forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude”.

A nota segue dizendo que a pandemia de covid-19 atinge indistintamente várias partes do mundo, trazendo um desafio “que nenhum país consegue enfrentar sozinho”. Que a prioridade é um esforço global para combatê-la e salvaguardar a “saúde pública e o bem estar da humanidade”. “Instamos que alguns indivíduos do Brasil corrijam imediatamente seus erros cometidos e parem com suas acusações infundadas contra a China”, conclui a nota.

Além de ser o maior parceiro comercial do Brasil, a China é também o maior exportador para o resto do mundo de testes anti-covid-19 e dos chamados Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como máscaras e roupas para profissionais de saúde envolvidos no combate à pandemia.

O Brasil já está enfrentando problemas para importar esses insumos na quantidade necessária graças a uma postura agressiva dos Estados Unidos, que têm oferecido valores mais altos ou simplesmente interceptado mercadorias que passam pelos seus portos com destino a outros países.