Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Erro crasso de avaliação

Equipe BR Político

Em sua coluna nesta quinta-feira no Estadão, William Waack diz que a lógica com a qual Jair Bolsonaro enxerga sua missão é transparente, ainda que maluca: se considera escolhido por Deus para guiar o povo, e, se o “sistema” não o deixa cumprir sua missão, cabe a ele exortar o mesmo povo a lutar contra isso. O problema, diz o colunista, é quando um governante deixa suas percepções se transmutarem em estratégia de ação, como na convocação das manifestações do próximo domingo.

“Esse chamado dividiu seus apoiadores e mesmo uma estrondosa manifestação popular no dia 26 não diminui – ao contrário, até amplia – as dificuldades de relacionamento do Executivo com o Legislativo. Menos que estrondosa, e ele sai enfraquecido diretamente. A não ser que Bolsonaro tenha no recôndito das reuniões de família pensado no impensável, qual seria o próximo passo para tentar emparedar um Legislativo que, de fato, avança – ajudado principalmente pela incompetência do governo – na direção de um parlamentarismo branco?”, especula o colunista.