Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘Escravidão foi porque o índio não gosta de trabalhar’, diz procurador

Alexandra Martins

“Se você for ver sua família 200 atrás, nenhum de nós trouxe um navio cheio de pessoas da África para ser escravizado aqui no Brasil (…) E não esqueçam – vocês devem ter estudado História – que o problema da escravidão no Brasil foi porque o índio não gosta de trabalhar. Até hoje.”

Isso é parte de um áudio gravado durante uma palestra do procurador do Pará Ricardo Albuquerque da Silva a estudantes de Direito de uma faculdade particular de Belém. O tema da conversa era uma comparação entre o Ministério Público brasileiro e seu órgão homólogo nos Estados Unidos.

O procurador Ricardo Albuquerque da Silva. Foto: MP/PA

Tem mais isso: “O índio preferia morrer do que cavar mina, do que plantar para os portugueses. E por isso que foram buscar pessoas nas tribos da África para vir substituir a mão de obra do índio no Brasil.”

Por meio de nota, Ricardo Albuquerque disse que o áudio é “tendencioso”. “O assunto era o Ministério Público como instituição e não tinha como escopo a análise de etnias ou nenhum outro movimento dessa natureza.”

O Ministério Público no Estado repudiou as afirmações do procurador e disse que elas “refletem tão somente a opinião pessoal do referido membro da instituição”.