Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Esquerda customizada

Equipe BR Político

O ex-chanceler do governo Lula, Celso Amorim, defendeu nesta segunda, 10, a união da esquerda por meio de uma frente ampla, mas “deslocada um pouco para a direita”. “No momento, o País exige uma frente ampla democrática em que a linha divisória vai ter que se deslocar um pouco para a direita porque, se não, nós não sobreviveremos”, disse o ex-ministro, em São Paulo.

Para Amorim, faltou ao PT entender o que ele chamou de fenômeno que elegeu Jair Bolsonaro, em que pesou o apoio de lideranças religiosas e do mercado ao adversário. Segundo ele, o discurso do partido também deveria ter sido diferente. “Não exploramos suficientemente um discurso daqui ou daquilo, está certo, isso é verdade. Eu acredito que tinha que ser discutido mais emprego, o que interessa às pessoas, mas não teria sido suficiente”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:

Celso AmorimLula