Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Evasão escolar em 2020 pode ser de 30%, diz Consed

Alexandra Martins

Exclusivo para assinantes

Ao contrário de agremiações de pais de alunos da educação pública e privada, a presidente do Conselho Nacional de Educação (Consed), Cecília Motta, não cogita a mínima possibilidade de que 2020 possa ser um ano perdido para os alunos brasileiros, apesar de conhecer de perto as dificuldades e limitações das aulas remotas em vigor nas escolas públicas do País por causa da pandemia do novo coronavírus, mas calcula que a evasão escolar pode chegar na faixa dos 30% neste ano, atingindo principalmente o ensino médio. “Vamos ter uma grande evasão este ano, perto de 30%. Teremos de fazer, não sei como, uma recuperação geral desses alunos”, disse Cecília ao BRP.

O cenário se repete nos quatro Estados que registraram o menor investimento anual por aluno da rede básica em 2015: Maranhão, Pará, Piauí e Alagoas

A evasão escolar pode chegar na faixa dos 30% neste ano

A secretária de Educação do Mato Grosso do Sul reforça que não cabe aos pais decidirem se as aulas presenciais voltam ou não ainda em 2020. “Não é a família que vai decidir se as aulas voltam ou não. Temos uma obrigação constitucional de oferecer educação a jovens de 4 a 17 anos. Não dá para cada família dizer se é o momento ou não”, afirmou.

Cada Estado tem estipulado datas distintas para esse retorno. Ela lembra que no Amazonas, ele está previsto para 10 de agosto; no Rio Grande do Norte, 17 de agosto; e em quatro ou cinco Estados, no dia 8 de setembro. Questionada se a batalha já não está perdida, ela reforça que as aulas remotas têm focado em “objetivos de aprendizagem essenciais”. Os objetivos “complementares”, diz, ficarão para 2021 e 2022. “Estamos trabalhando agora só com a essência”, afirma.

Tudo o que sabemos sobre:

Consedaulaspandemiavolta às aulas