Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Evo Morales sob proteção mexicana

Equipe BR Político

O ex-presidente boliviano Evo Morales aterrizou na Cidade do México nesta terça-feira, 12, após aceitar a oferta de asilo político do presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador. Após renunciar à presidência boliviana sob pressão das Forças Armadas, Morales recebeu o asilo por “questões humanitárias” e, segundo autoridades mexicanas, por correr risco de morte.

O ex-presidente boliviano aceitou asilo no México depois de renunciar em meio a acusações contra ele de fraude eleitoral Foto: AP Photo/Eduardo Verdugo

O ex-presidente boliviano aceitou asilo no México depois de renunciar em meio a acusações de fraude eleitoral Foto: AP Photo/Eduardo Verdugo

Morales chegou à capital mexicana após diversas negociações diplomáticas a respeito da rota de seu vôo. Após o Peru não ter permitido que a aeronave pousasse em seu território para reabastecimento, os diplomatas mexicanos negociaram a rota com o Itamaraty, que permitiu que o avião cruzasse o espaço aéreo brasileiro. Nove horas depois de embarcar em Assunção, no Paraguai, onde fez escala, Morales chegou ao México.

“Enquanto eu tiver vida, continuarei na política; enquanto eu estiver no trem da vida, a luta continua. E temos certeza de que os povos têm todo o direito de libertar-se”, disse o líder indígena. Como informa o Estadão, a crise política que levou à renúncia de Morales, e do ex-vice-presidente Álvaro García Linera, começou um dia depois das eleições de 20 de outubro, com acusações de fraude.

Enquanto isso, na Bolívia, a Central de Trabalhadores do país (COB, na sigla em espanhol) deu um ultimato às autoridades locais para que restabeleçam “a ordem constitucional, a paz social e a unidade do povo boliviano, para assim evitar mais derramamento de sangue” dentro de 24 horas. Segundo o Broadcast Político, o presidente da central, Juan Carlos Huarachi, ameaçou convocar uma greve geral caso seu pedido não seja atendido em 24 horas.

Tudo o que sabemos sobre:

Evo MoralesMéxicoBolívia