Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Ex-governador da Paraíba diz que MP é ‘imbecil’ e quer ‘extorquir’ Estado

Equipe BR Político

Em uma gravação de áudio, o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) afirma que o Ministério Público quer “extorquir o Estado”. “Você viu o imbecil do Ministério Público, escroto, querendo extorquir o Estado com a história do (inaudível), a primeira contratação, porque não teve processo licitatório”, diz o ex-governador, na gravação, ao empresário Daniel Gomes, delator da Operação Calvário/Juízo Final. Coutinho é investigado pela Operação da PF, que suspeita de um desvio de R$ 134 milhões dos recursos destinados à saúde na Paraíba.

No áudio, o ex-governador e Gomes comentam uma investigação sobre a contratação em caráter de emergência da Cruz Vermelha para administrar o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena. A PF acredita que Gomes seria um emissário de propinas da organização Cruz Vermelha Brasil. Como informa o Estadão, entre 2011 e 2019, o Estado da Paraíba gastou R$ 980 milhões com a Cruz Vermelha. Coutinho nega as suspeitas, e afirmou que irá “contribuir com a Justiça para provar minha total inocência”. “Acrescento que jamais seria possível um Estado ser governado por uma associação criminosa e ter vivenciado os investimentos e avanços nas obras e políticas sociais nunca antes registrados”, diz.

Leia abaixo a transcrição do áudio:

RICARDO COUTINHO: Você viu o imbecil do Ministério Público, escroto, querendo extorquir o Estado com a história do (inaudível), a primeira contratação, porque não teve processo licitatório.

DANIEL GOMES: Mas isso é antigo, esse processo não é novo, não. O TCE (Tribunal de Contas do Estado) já julgou isso.

RICARDO COUTINHO: Tá lá um recado…

DANIEL GOMES: Esse caso específico, o TCE já fez o julgamento e… é o Gilberto (Carneiro da Gama, ex-procurador-geral do Estado) que está (inaudível)?

RICARDO COUTINHO: E era emergência.

DANIEL GOMES: Era emergência, a lei prevê. Seis meses, mais seis meses.

Tudo o que sabemos sobre:

PFparaíbaRicardo Coutinho