Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Ex-presidentes se solidarizam com STF

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Michel Temer, José Sarney e Fernando Collor se solidarizaram com o Supremo Tribunal Federal. FHC fez uma postagem no Twitter, e os outros dois mandaram notas ao presidente da Corte, José Antonio Dias Toffoli.

Manifestantes pró-governo lançam fogos de artifício contra prédio do STF. Foto: Reprodução/Youtube

“Minha solidariedade ao STF é total. Os fogos vistos no YouTube e a voz tremebunda atacando-o são contra a democracia. Gritemos: não ao golpismo! Os militares são cidadãos: devem obediência à Constituição como todos nós. Defendamos juntos Brasil, povo e lei, antes que seja tarde”, escreveu o tucano.

“Receba minha solidariedade à sua manifestação. A agressão física a Suprema Corte revela o desconhecimento de suas elevadas funções como um dos principais garantes da democracia integrada, como é, por juristas do maior porte e forjados na ideia de rigoroso cumprimento da Constituição Federal”, disse Temer na nota enviada a Toffoli.

“Solidário à sua mensagem, junto o meu protesto contra inqualificável e criminosa agressão ao STF, guardião da Constituição, integrado por magistrados de altas virtudes culturais e morais. Peço para estender minha solidariedade a toda Corte”, escreveu Sarney.

Collor foi o mais indignado. Nas redes sociais, o ex-presidente, que teve o mandato interrompido ao renunciar após a aprovação de seu impeachment pelo Congresso em 1992, cobrou Jair Bolsonaro: “Até quando, presidente?”. Ele postou o vídeo do ataque ao Supremo com fogos de artifício e escreveu: “Essa imagem é um ataque simbólico intolerável à instituição e à democracia. E é no simbólico em que se revela a realidade profunda. Transigir com atos dessa natureza é contemporizar com o risco fascista em curso”.

Lula e Dilma Rousseff não se manifestaram até esta segunda-feira, 15.