por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Ex-Secom defende publicidade barata, mas governo avalia guinada

Vera Magalhães

De saída da Secretaria de Comunicação da Presidência, Floriano Amorim diz em entrevista ao Estadão nesta quinta-feira que o governo Jair Bolsonaro está fazendo uma campanha publicitária para a Nova Previdência a um custo seis vezes menor que o despendido pela gestão de Michel Temer (R$ 30 milhões agora, ante R$ 151 milhões antes). Ele diz que “é um erro não reconhecer a força das mídias digitais”, ao defender a publicidade com foco maior na internet.

Acontece que a percepção de que a campanha foi malsucedida e não impactou o grande público é uma das razões da sua queda –sobre a qual ele tergiversa na entrevista. A nova orientação da Secom é de  retomar investimentos em rádio e TV aberta como forma de alavancar a Previdência e também a imagem de Jair Bolsonaro, mas essa guinada ainda não tem o aval do ministro Carlos Alberto Santos Cruz, responsável pela área, que até agora não concorda com o novo plano de mídia de “seis dígitos” que vem sendo gestado. / V.M.

Tudo o que sabemos sobre:

Secomnova previdênciaPublicidade