Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Extensão da renda básica tem apoio de 75%, mostra pesquisa Ideia Big Data

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A ideia da prorrogação do auxílio-emergencial de R$ 600 tem apoio massivo na sociedade: 75% se manifestaram favoravelmente à ideia, como mostra pesquisa do Ideia Big Data para o BRPolítico. Em reunião com empresários na última terça-feira, 19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu a possibilidade de prorrogação da renda básica. O valor do auxílio, no entanto, cairia para R$ 200, como originalmente propôs o governo.

Também contam com adesão da sociedade outras ideias discutidas em decorrência da pandemia, como a transformação do auxílio-emergencial em uma renda básica permanente para a parcela mais pobre da população. Com percentual até mais amplo, a proposta de criar um tributo sobre grandes fortunas, como compensação para o gasto com transferência de renda para os mais pobres, também é aprovada.

O resultado não deixa de ser surpreendente: afinal, Jair Bolsonaro foi eleito há dois anos e meio com uma agenda liberal, reformista e que previa a redução da presença do Estado na economia e pautas como privatização e reforma tributária (na qual a taxação de fortunas não estava prevista).

O Ideia aplicou 1.625 questionários nos dias 12 e 13, por meio de aplicativo mobile. Foram entrevistadas pessoas em todo o País, e divididas segundo proporcionalidade de renda, escolaridade, sexo e idade.

Quando questionados sobre a discussão que já se iniciou no Congresso e entre economistas, e que deve chegar ao governo em breve, de prorrogar o auxílio-emergencial de R$ 600 por mais tempo (sem especificar quanto), 75% responderam que são favoráveis. Só 10% opinaram que não há recursos orçamentários para manter a transferência por mais tempo (foram 16% na região Centro-Oeste), e 15% não quiseram ou não souberam opinar.

Na pergunta seguinte, o Ideia Big Data questionou os entrevistados sobre a transformação da ajuda emergencial em uma renda básica permanente. Foram favoráveis 48% dos ouvidos. Entre os consultados que recebem até 1 salário mínimo, a ideia da renda perene alcançou apoio de 56%.

Para 36% dos entrevistados, no entanto, a renda básica permanente não é viável, pois quebraria os cofres públicos. O maior porcentual dos que pensam desta forma está entre os que recebem mais de 5 salários mínimos, segmento no qual 55% foram contra a perenização do benefício. Os que se eximiram de responder essa questão foram 16%.

Na outra ponta da pirâmide de renda, o Ideia/BRP perguntou o que os usuários de aplicativo mobile achariam da criação de um imposto sobre grandes fortunas, que já existe em vários outros países, mas não é cobrado no Brasil. Os que se disseram favoráveis à taxação foram 56%, contra apenas 20% que se manifestaram contra a proposta. Como a compreensão do tema é mais complexa, 26% disseram não saber ou não querer opinar.

Tudo o que sabemos sobre:

Renda Básica EmergencialR$ 600apoio