Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Fila para o bilhete azul

Equipe BR Político

A demissão por etapas, como a de Ricardo Vélez Rodríguez, não é um caso isolado no governo Jair Bolsonaro. Assim como o ex-ministro da Educação teve sua saída definida e anunciada dias antes de consumada, vários embaixadores estão com o “bilhete azul” já entregue pelo presidente, mas ainda não validado, analisa Eliane Cantanhêde em sua coluna no Estadão nesta terça-feira. O presidente falou ainda antes da viagem aos Estados Unidos que demitiria cerca de 15 embaixadores. A lista feita pelo chanceler Ernesto Araújo subiu para 45 nomes, mas até agora todos seguem nos seus lugares. “Até agora, porém, praticamente um mês depois do anúncio feito pelo próprio presidente da República, ninguém veio, ninguém foi para posto nenhum. O próprio embaixador Sérgio Amaral, nomeado no governo Michel Temer, não só continua em Washington como participou ativamente da viagem de Bolsonaro e, agora, participa da visita do vice Hamilton Mourão”, escreve Cantanhêde.