Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Senadora relata ‘grito’ de Flávio contra Lava Toga

Equipe BR Político

Convencida de que não vai tirar o nome do requerimento para criar a CPI do Lava Toga, a senadora e ex-magistrada Juíza Selma (PSL-MT) relatou que em meio às pressões que vem recebendo dentro do partido, receber uma ligação do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, em tom exaltado contra a posição da parlamentar.

Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro

Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Foto: Dida Sampaio/Estadão

“Não dá para dissociar. Ele estava um pouco chateado. Alguém disse para ele que nós tínhamos assinado uma CPI que iria prejudicar ele e ele falou comigo meio chateado, num tom meio estranho. Eu me recuso a ouvir grito, então, desliguei o telefone”, disse, em entrevista à Folha. Ela afirmou também que ainda não decidiu se vai abandonar o partido. “Estou cogitando ainda, conversando com alguns partidos. Mas não pretendo sair da base do governo.”

Como você viu aqui no BRP, o PSL escalou Flávio para tentar desarticular a comissão. Ele é o único dos quatro senadores do PSL que não assinaram a petição pela abertura da CPI.

Ontem, o senador Alessandro Vieira (Cidadania), autor do requerimento de criação da comissão, conseguiu atingir, mais uma vez, o número necessário para pedir a instalação da CPI. Na última segunda, a senadora Maria do Carmo (DEM) retirou o nome da lista. O senador Elmano Férrer (Podemos) incluiu o nome no lugar.

Tudo o que sabemos sobre:

Flávio Bolsonarolava-togaCPISelma Arruda