Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

FT cita Bolsonaro como membro da ‘Aliança do Avestruz’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O site do jornal inglês Financial Times cita o presidente Jair Bolsonaro entre os quatro líderes mundiais que formam a “Aliança do Avestruz“: grupo de presidentes que negam a ameaça do novo coronavírus. O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e o presidente do Turcomenistão, Gurbanguly Berdymukhamedov, completam o quarteto que tem se destacado por não levar a pandemia a sério. O responsável por “batizar” o grupo foi o professor de relações internacionais da FGV-SP Oliver Stuenkel, em referência ao mito de que o pássaro grande enterra a cabeça na areia quando enfrenta perigo. “Além dos riscos à saúde de suas populações, sua negação poderia acarretar custos políticos”, diz a publicação.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Gabriela Biló/Estadão

O presidente da Bielorrússia, aquele que recomendou que a população frequentasse saunas e bebesse vodka para se proteger do coronavírus, disse que se medidas restritivas fossem tomadas no país, o bloqueio esmagariam a economia. “Existem recomendações: não entre na multidão, não se esfregue, não se beije, não se abraça e assim por diante”, disse ele na segunda-feira. “Mas isso terminará, e então veremos quem estava certo e quem não estava!”, declarou.

Já no Brasil, o primeiro país do hemisfério sul a atingir 1.000 mortes por coronavírus, o presidente já saiu para diversos passeios em claro desafio às políticas de isolamento social.”Bolsonaro repetidamente minimizou o coronavírus como ‘histeria’ e – ecoando o presidente dos EUA, Donald Trump, – elogiou o medicamento antimalárico hidroxicloroquina como uma possível cura, ordenando que laboratórios militares aumentassem a produção. O presidente brasileiro também tem estado ocupado ocupando as ruas, atraindo multidões em várias ocasiões”.

Ortega, na Nicarágua, depois de passar um mês sem ser visto publicamente, disse à TV que a pandemia era “um sinal de Deus” para mudar gastos de governos com bombas atômicas para serviços de saúde. “A quarentena voluntária está em vigor apenas para quem chega do exterior, e as fronteiras da Nicarágua permanecem abertas”. Enquanto isso, no Turquemenistão, o presidente afirma ter inventado um método caseiro para manter a contagem de casos da covid-19 do país em zero: queimar a erva yuzarlik, que Berdymukhamedov afirma que pode impedir doenças infecciosas invisíveis a olho nu. “Depois de reconhecer tardiamente a ameaça do vírus neste mês, Berdymukhamedov exaltou outro método preventivo favorito: ‘fortalecer os princípios de uma vida saudável’ por meio de feitos públicos de proezas atléticas”, cita a publicação.