Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Funai dispensa quadros de Sebastião Salgado para leilão

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Funai encontrou uma saída de se livrar das obras do fotógrafo Sebastião Salgado: leiloar os trabalhos feitos pelo artista, em parceria com a fundação, junto ao povo korubo, do Vale do Javari (AM), em 2017. Os quadros, que começaram a ser retirados das instalações do órgão, são avaliados em cerca de R$ 1 milhão. “A ideia é que o valor arrecadado seja utilizado em favor desses povos no contexto da pandemia da covid-19”, alega a Funai. Na semana passada, Salgado lançou um manifesto assinado por artistas de renome internacional, como Paul McCartney, Maddona e Brad Pitt, para cobrar do presidente Jair Bolsonaro e do Congresso ações assertivas de proteção às comunidades indígenas nesta pandemia do novo coronavírus.

A fundação detalha que o dinheiro poderia ser usado para compra de alimentos e itens de higiene pessoal dos índios. “A Funai sugere que o dinheiro seja revertido para aquisição de gêneros alimentícios não perecíveis, itens de higiene pessoal, materiais de limpeza, ferramentas agrícolas e outros itens, e doados à Campanha Empresa Solidária, lançada pela Fundação diante dos desafios trazidos pelo novo coronavírus”, diz o órgão. Como você tem acompanhado aqui no BRP, as comunidades indígenas têm sido negligenciadas pelo governo federal, especialmente agora durante a pandemia, ao permitir ação de grileiros, madeireiros e garimpeiros que invadem os territórios indígenas para explorar ilegalmente os recursos naturais, enquanto os próprios índios constroem barreiras em seus TIs para frear as invasões como forma de preservar a saúde de sua população.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Sebastião SalgadoÍndioscoronavírus