Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Gilmar quer validar mensagens da Vaza Jato

Vera Magalhães

O ministro Gilmar Mendes articula, com apoio de outros ministros do STF, acionar a Procuradoria-Geral da República para que investigue e comprove a autenticidade das mensagens trocadas por procuradores da Lava Jato por meio do aplicativo Telegram e vazadas pelo The Intercept Brasil e outros veículos. A informação é da Folha. Caso elas sejam consideradas autênticas, segundo o raciocínio do ministro, poderiam ser usadas para rever decisões da operação.

Ministro Gilmar Mendes durante sessão plenária do STF

Ministro Gilmar Mendes durante sessão plenária do STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Escrevi aqui no BRP na última quarta-feira que Gilmar surpreendeu ao levar a Vaza Jato para o plenário do STF, discutindo abertamente o conteúdo de mensagens cuja autenticidade e validade como provas ainda não tinham sido discutidas e cuja obtenção foi fruto do hackeamento criminoso e em massa de celulares de autoridades, também ele ainda objeto de um inquérito da Operação Spoofing, em andamento.

Na quarta-feira, o representante da PGR no julgamento, Alcides Rodrigues, abriu a possibilidade agora estudada por Gilmar. “Se me permite, ministro Gilmar, se pudesse encaminhar esses elementos à Procuradoria-Geral para que fossem avaliados por quem é de direito, porque o que referiu é de extrema gravidade”, disse ele.

Enquanto STF e PGR começam a discutir o uso das mensagens da Vaza Jato como prova, Augusto Aras manobra para adiar a discussão de eventuais infrações disciplinares e administrativas cometidas por Deltan Dallagnol. A Folha informa que a sessão que deveria julgar reclamações contra o procurador, prevista para o próximo dia 8, foi adiada a pedido do PGR até que assumam novos conselheiros já aprovados pelo Senado.