Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Governador do Rio ‘indignado’ com ‘vazamento’ de operação

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, voltou a reagir no Twitter nesta manhã de terça, 26, contra a operação da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca na residência oficial do governo e no escritório da primeira-dama Helena Witzel. Agora, ele se volta contra as insinuações da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) de que sabia que a PF estava prestes a deflagrar operações para investigar suspeitas de irregularidades cometidas pelo governador fluminense.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel Foto: Governo RJ

“Indigna-me o fato de que deputados bolsonaristas tenham anunciado em redes sociais nos últimos dias uma operação da Polícia Federal direcionada a mim, o que demonstra limpidamente que houve vazamento. A interferência anunciada pelo presidente da república está oficializada”, escreveu ele na rede.

Um dia depois da fala de Zambelli, nesta terça-feira, 26, a PF deflagrou a Operação Placebo, que atinge o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), um dos principais desafetos do presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista à Rádio Gaúcha, a parlamentar afirmou: “A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter, nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez, de ‘Covidão’ ou de… não sei qual vai ser o nome que eles vão dar… mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal”.

Em post anterior, Witzel negou que tenha cometido irregularidades em meio à pandemia do novo coronavírus e afirmou que a operação comprova a interferência do presidente Jair Bolsonaro no órgão.