Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Governador italiano alerta brasileiros, mas Bolsonaro trata caso como ‘mito’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Itália é um exemplo contra o que hoje o governo federal pretende executar no Brasil. O país europeu relaxou as medidas preventivas no combate ao coronavírus com campanha para que o comércio não parasse, mas foi obrigado a recuar diante da escalada histórica de mortos pela covid-19. Nas últimas 24 horas, 969 pessoas morreram, elevando a taxa total de mortalidade para 9.134. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro afirma que a maioria das mortes lá “não tem nada a ver com o coronavírus, nada a ver. São pessoas que estavam em uma região fria e todos com uma média de idade de 80 anos”, disse ele ontem ao apresentador de TV Datena. Essa mesma fala foi precedida de outra igualmente nociva. “Inclusive, certos mitos estamos desfazendo, como a questão das mortes na Itália”, prefaciou.

Não é o que pensam agora o governador da Lombardia, massacrada pelo vírus, Attilio Fontana, que disse ter aconselhado brasileiros de seu entorno a ficarem em casa, e o prefeito de Milão, capital da região, Giuseppe Sala, que afirmou ter errado na política adotada para combater o avanço do coronavírus na cidade ao divulgar um vídeo no fim de fevereiro dizendo que Milão não deveria parar. “No dia 27 de fevereiro circulava nas redes o vídeo #Milãonãopara. Talvez eu tenha errado ao relançá-lo, mas naquele momento ninguém tinha compreendido a gravidade desse virus”, afirmou em entrevista à rede de televisão RAI. “Aceito as críticas, mas não tolero que usem isso para interesses políticos”.

A relação direta da propagação do coronavírus com o clima é contestada por vários infectologistas do país e do mundo, que pedem cautela nesta fase de pesquisa sobre o comportamento do patógeno. O diretor-executivo do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, alertou contra o que chamou de “suposições”. “Acho que precisamos ter cuidado ao fazer suposições sobre a propagação ou não de um vírus devido a condições climáticas ou outras (condições)”, disse ele no final de fevereiro. Muitos desses pesquisadores lembram que vírus não respeitam temperatura.