Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Governo de SP diz que resultados da Coronavac saem no início de dezembro

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Depois do anúncio da eficácia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, em testes no Brasil, o governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira, 23, que os resultados preliminares dos testes clínicos da fase três da coronavac, que atestam a eficácia, devem ser divulgados na primeira semana de dezembro.

O diretor do Instituto Butantan, que faz os estudos da última fase dos testes junto à farmacêutica chinesa Sinovac, Dimas Covas, afirmou que o número mínimo de infecções para que a eficácia do imunizante possa ser avaliada foi atingido na semana passada e a análise dos resultados já iniciou. “Rapidamente, na primeira semana de dezembro, teremos o resultado dessas análises, que serão remetidas ao comitê internacional controlador do estudo, que deverá validar esses resultados e aí produzir o relatorio que será encaminhado à nossa Anvisa e ao órgão equivalente à Anvisa da China”, afirmou.

O secretário da Saúde do Estado, Jean Gorinchteyn disse que espera que em janeiro a Anvisa já tenha aprovado a vacina para aplicação na população e o Instituto possa já iniciar a vacinação. “A celeridade no processo vai permitir que a vacina Coronavac seja a primeira vacina disponível para a nossa população”, disse.

Nesta segunda, a Astrazeneca e a Universidade de Oxford anunciaram que enviarão à agência o pedido para a liberação do uso emergencial da vacina no Brasil desenvolvida pelas duas instituições. As normas da Anvisa, no entanto, não prevêem aprovação de produtos para uso emergencial. Ambos os imunizantes têm até agora dados que apenas permitem a análise e divulgação de resultados preliminares e não finais dos estudos. Em comparação, a Pfizer e a BioNTech, por exemplo, já tinham, no início de novembro, dados da análise preliminar mostrando 90% de eficácia, mas só entraram com pedido de registro na FDA na semana passada, depois da análise final do estudo, quando o número de infectados chegou a 170.

Tudo o que sabemos sobre:

coronavacInstituto Butantaneficáciaestudo